terça-feira, 29 de maio de 2012

One Direction se apresenta no “Beacon Theater”




Dentro do Beacon Theater no Sábado de tarde um agente de segurança estava se preparando para à guerra: “Quando eles estiverem no palco vocês precisam ficar em suas cadeiras!” “Você não pode ir para frente do palco!”
A multidão era jovem o suficiente para se comportar bem, muito deles com acompanhantes. Alguns deles tinham até um fone de ouvido para isolar o barulho do local.
Isso porque os seguranças não podiam fazer nada sobre os gritos. Milhares de garotas e um punhado de garotos estavam gritando mesmo antes dos cinco rapazes da One Direction – Harry Styles, Zayn Malik, Louis Tomlinson, Niall Horan e Liam Payne – aparecerem, e continuaram gritando durante todo o show, um ritual muito mais importante do que o ritual de dança e música tomando conta do palco. Esse foi a primeira de duas apresentações no Beacon, que veio em seguida de uma ainda maior no Izod Center em Nova Jersey na noite anterior.
A intensidade da resposta gera, não obstante, que a One Direction é a mais casual das boybands, uma importação britânica que enfatiza um topete acima de tudo. O primeiro álbum, “Up All Night”, foi lançado nos Estados Unidos em Março e atingiu o topo da lista da Billboard imediatamente; essa foi a venda de álbuns mais rápida do último ano. Está cheio de rock e infectado com um pouco de pop alegre e as vezes inteligente. Algumas das músicas têm desorientação espirituosa nas letras, um passo além dos fundamentos habituais para o amor e a fidelidade. “What Makes You Beautiful”começa com “Você está insegura” e depois “não sei porquê.” “Tell Me A Lie” é colocada como um desafio: “Me fale que você não quer meus beijos/ Que você precisa de distância.”
No palco, os garotos que têm entre 18 e 20 anos, são mal coreografados, ao contrário de um grupo que vem treinando durante anos. Isso é porque a One Direction é uma mistura do X Factor britânico – onde os membros se inscreveram separadamente na temporada de 2010 e foram colocado juntos durante o show, e então competiram como um grupo conquistando o terceiro lugar da competição.
Todos bem vestidos e variados, oferecendo um leque cheio de opções para se apaixonar dentro de um único pacote. Sr. Malik, que é de descendência paquistanesa por parte de seu pai, é o único membro não-branco do grupo, e também o cantor mais exibicionista. No palco, ele também é o mais sério – vestindo suas roupas um pouco mais soltas e com um andar como mais atitude do que de seus companheiros de banda.
Muitas vezes era ele ou Styles nos vocais, com Payne não tão atrás. Horan, amante da calça drop-crotch, era facilmente distraído. E Tomlinson o mais falante.
Impressionantemente, o grupo esticou o álbum de 45 minutos em um show quase duas vezes maior: tinham vídeos dos garotos em um campo ou em um alojamento de inverno; uma sequência de respostas à perguntas enviadas pelo Twitter; alguns covers, incluindo “Torn” de Natalie Imbruglia, “I Gotta Feeling” do Black Eyed Peas e, um pouco mais maduro, um cover de “Use Somebody” do Kings Of LeonUp All Night: The Live Tour” será lançado em DVD na Terça-feira.
O desvio ocasional ousado é parte do percurso para este grupo. Styles, o mais novo, tem saído em vários sites e revistas de fofocas devido sua fama com mulheres mais velhas. No começo do show, uma tela mostrou imagens das coisas que os garotos gostam e não gostam; certamente as meninas ficaram se coçando sobre a confissão de Malik: ele odeia cuecas com abertura na frente.
A história das boybands é inevitavelmente uma história de disperção: se distanciar ou implodir fantasticamente faz parte do ciclo de vida. Dado que a banda construiu uma falta de acordo em suas performances, pode demorar um pouco para que isso aconteça com a One Direction. Mas é dificil não olhar para o presente e ver o futuro: a fase de Craig David de Malik, Horan na comédia, Payne no turno de West End, Tomlinson como um apresentador de televisão e Styles residindo nos tablóides em tempo integral. Mas isso é para depois que os gritos histéricos das fãs se acalmarem.
Fonte: NY Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário